Find Us Online At
iBookstore
Android app on Google Play
Like Us
Funded by
Começa a busca das nossas origens cósmicas
13 March 2013

Hoje, um novo telescópio chamado ALMA abriu os seus olhos. Este gigantesco telescópio é o maior do mundo: está composto por 54 antenas de 12 m (aproximadamente a altura de um edifício de quatro andares!) e doze antenas um pouco mais pequenas, de 7 metros. Estas 66 antenas vão funcionar em conjunto para criar o telescópio mais potente sobre a face da Terra! O ALMA pode capturar luz de alguns dos objetos mais longínquos do espaço, mostrando-nos detalhes nunca antes vistos do universo primitivo. Esta incrível imagem mostra o telescópio ALMA disperso pelo deserto de Atacama no Chile.

Quando o universo era muito jovem, estava cheio de uma grande neblina de gás hidrogénio frio. Isto torna difícil o seu estudo com telescópios de 'luz visível' normal. Mas o ALMA tem olhos especiais que irão observar o espaço com uma luz diferente conhecida como 'luz rádio'. Esta permitirá ao telescópio olhar através da neblina e revelar os segredos remotos pela primeira vez.

O ALMA também irá lançar luz sobre alguns dos objetos mais frios do universo. Irá penetrar através das nuvens escuras de gás e poeira que estão apenas a alguns graus acima do zero absoluto - a temperatura mais baixa possível (-273ºC). Tentar conseguir obter mais frio seria como tentar caminhar mais a sul do Pólo Sul! Esperamos descobrir novos planetas exóticos orbitando sois alienígenas e brilhantes estrelas bebé formando-se dentro de espessas nuvens. Se quer ser o primeiro a conhecer os segredos que o ALMA vai revelar sobre as nossas origens cósmicas, certifique-se que lê os Space Scoop nos próximos meses!

Facto curioso

O ALMA foi construído a uma altitude de 5000 metros, numa montanha do Deserto de Atacama, no Chile, um dos lugares mais secos da Terra! A enorme altitude e secura do lugar significam que há muito poucas nuvens que atrapalhem as observações. Mas a 5000 metros, o ar é extremadamente fino, assim o acesso humano é reduzido ao mínimo absoluto!

Share:

Images

The Search for our Cosmic Origins Begins
The Search for our Cosmic Origins Begins

Printer-friendly

PDF file
1.1 MB